terça-feira, 3 de agosto de 2010

ESPIRITUALIDADE


ELA OLHOU BEM NO CAROÇO DOS MEUS OLHOS

Ela chegou bem perto de mim, olhou bem dentro de meus olhos, no caroço dos meus olhos – aquela parte onde tem uma fresta, uma brecha, um janela, uma porta para alma – e disse, bem baixinho, quase sussurrando, mas como se fosse um grito: “Não, Deus não existe! É somente uma poesia para suportar esta vida de muita dor. Seja o Tupã ou Guaracy dos índios, seu padre! Também o Montubá dos orixás ogum, xangô , iansã ou iemanjá trazidos pelo sofrido povo negro da África é poesia. O senhor gosta de poesia, não mesmo seu padre? Tão pouco esse Deus de Abraão em que crêem os judeus, cristãos e mulçumanos. Odeio esse seu Deus cristão católico, só menos perverso ao das seitas fundamentalistas dos pentecostais. Seu Deus, padre, é uma droga, uma maconha, um ópio. Acreditar nele é dá um atestado de que não passa de um sarcástico, um impotente, um malvado assistindo de sua TV plasma celestial o drama, a tragédia e a comédia da existência humana. Professar minha fé em qualquer um deles, seja daqui do Ocidente ou as deidades hindus da Índia é o mesmo que confessar que ele matou meu filho. Então deixa o de fora. Assim não terá mérito nem culpa. Ainda quando cria não pedia nem agradecia pelas chuvas. Se não chovesse, sabendo Deus o que isso significa para um sertanejo, então ele é muito mau. Se chovesse, então ele é bom? Decidi que era uma questão climática e pronto. Fale alguma coisa, padre! Fale alguma coisa, desde que não seja essa outra poesia tua de que deus é um deus humilde e sofredor. No começo até que gostei da idéia, dessas tuas palavras de um deus não caricato, de um deus sem glorias, cujo senhorio e realeza são demonstrados com bacia e toalha nas mãos na santa ceia ou lava pés e não com trono, cetro real ou coroa. Sim, no começo até gostei de te ouvir falar de um deus que sofre conosco e em nós, carne de nossa carne de agonia e prazer. Um deus sem poderes, contudo solidário. Também era interessante a vitória desse deus depois de crucificado e morto vencer sem revanches, de triunfar sem triunfalismos. Ria quando dizias que se fosse um de nós seria bem provável que fossemos tirar onda com a cara dos sumos sacerdotes anás e caifás numa visita a casa deles ou numa reunião do sinedrio inteiro, sem não antes passar por pilatos e herodes quando fosse se exibir para todo mundo no templo de jerusalém. Sim, por um tempo essa vitória discreta tinha tudo a ver com quem era manso e humilde de coração. Mas até nisso também não creio mais. Meu filho morreu! E para Deus não ter problemas comigo nem eu com ele, de crente que era já não creio mais, padre. Não sou atéia nem agnóstica. O ateísmo é uma profissão de fé ao inverso e pelo avesso. Eu não professo nem de jeito nem de outro. Não afirmo nem nego. O agnosticismo, padre, é aquela indiferença onde tanto faz deus existir ou não. Pronto, padre, não sou atéia nem agnóstica. Não creio e pronto, seu padre, entendeu?

Ela me perguntou se havia entendido e nem me esperou responder. Foi embora da cidade. O que posso dizer sobre tudo que ouvi? Essa mulher tem mais fé do que muita gente aí, inclusive eu. Sua fé está cheia de perguntas. Seu relacionamento com Deus é honesto. Talvez tenha sido a pessoa mais crente que já encontrei ou aquela que perdeu a fé e se encontrou na vida.

Quanto a mim, vou por aqui, na alegria e na agonia da fé. Na consolação e desolação da fé. No claro e no escuro da fé. Nas certezas e nas dúvidas da fé. Minha fé tão pequena e tão sofrida, menor do que um grão de areia, que não move montanhas é, contudo a minha fé. Mesmo assim é minha fé.

3 comentários:

  1. a mulher busca respostas... um dia ela encontrará... assim vamos caminhando, nossas mãos em suas mãos, passo a passo mantendo o rítmo, a luz há de brilhar, e Sua face vamos contemplar.

    ResponderExcluir
  2. O homem é o culpado de suas própias fatalidades e enfermidades , deus é o criador de tudo no universo , aquele que riscou o primeiro rabisco no papel em branco que era o universo . O deus humano é , em minha opinião , algo criado por nós , o própio Jesus Cristo ,foi alguem que chegou em uma visão , do que seria um deus certo para o homem , tentando mostrar para seus "irmãos" como seria viver de acordo com deus,realmente foi um cara que admiro .
    Talvez , o problema de pensar deus como um deus físico e semelhante a nós , traz uma revolta , e ao mesmo tempo amor , quando imaginamos um deus humilde que sofreu como nós , ou quando imaginamos um deus que pode ver tudo mas não toma atitudes . Aí é que tá , deus nos criou , e nos deu a liberdade , de ser o bem e o mal , de fazer o certo e o errado .

    ResponderExcluir
  3. Olá Fábio! Maravilhoso texto.
    A mulher busca resposta... Resposta é uma busca constante do ser humano, mesmo as mais pequenas respostas. Respostas sobre Deus, então? Bem que nesse caso o importante é acreditar.
    Mas quantas outras respostas buscamos! O que está certo? Quem está certo? O que está errado? Quem está errado? O que fazer?
    Qual o caminho da nossa sociedade? Quem quer ir? Quem quer ver a banda passar ou, então, ir junto? (Lembra?!!) Será que conseguiríamos dar as mãos e fazer diferença? Quantas respostas precisamos!
    Abraço!

    ResponderExcluir