sábado, 26 de novembro de 2011

Depois do silêncio, as palavras


Passei esse tempão de mais de um ano sem escrever aqui no blog. Talvez fosse um momento em minha vida onde era mais forte o silêncio do que as palavras. Elas, as palavras, estavam sendo tecidas, plasmadas e formadas no ventre do silêncio. "A abelha fazendo o mel vale o tempo que não voou", canta Beto Guedes em Amor de Índio. Creio, ainda que escreva, que sempre vai restar o silêncio, o não dito, o que não consigo dizer. Então vamos juntos!